Paris - dia 4: Père Lachaise, Giverny e Pigalle

25.10.09


(Giverny - Casa de Monet)

Em nosso quarto dia em Paris, acordamos um pouco mais tarde e fomos visitar o cemitério Père Lachaise. Depois, por volta das 11 horas fomos à Estação Lazare (Gare Lazare) onde compramos os tickets de trem para irmos visitar a cidade de Giverny, sobre a qual já escrevi um post aqui no blog. Estava muito ansiosa para fazer esse passeio, que me tinha sido tão bem recomendado.

Apesar de sua importância e peculiaridade, a cidade próxima de Paris não faz parte do roteiro da maioria das pessoas que conheço que já foram a Paris. Por isso e também por ser apaixonada pelas obras impressionistas fiz questão de conferir pessoalmente.

Seguindo as instruções precisas do Conexão Paris, na Gare Lazare compramos os tickets de ida e volta para Rouen  (41 Euros), passeamos um pouco enquanto aguardávamos a saída do trem, tomamos um café ali perto da estação e a 1:00 da tarde embarcamos, sabendo que desceríamos na cidade de Vernon. Quando chegamos em Vernon, descemos do trem e seguimos as "pegadas azuis", até chegarmos a entrada principal da minúscula estação, de onde logo avistamos o ônibus que nos levaria até a cidade de Giverny. Tudo muito certinho, o ônibus tem horários coordenados com os trens e já estava lá aguardando os passageiros. Compramos a passagem dentro do ônibus (4 Euros ida e volta) e, em seguida, partimos.


Chegando em Giverny, no enorme estacionamento, seguimos as pessoas que também desceram do ônibus, então foi fácil chegarmos até a Casa de Monet. Na saída do estacionamento, que fica à céu aberto, também tem um painel com um mapa que mostra a localização das atrações do local.

Na bilheteria da casa de Monet compramos as entradas (6 Euros) e finalmente chegamos lá. Já no início dos jardins pode-se ter uma idéia do que vamos encontrar ao longo do caminho... A paixão de Monet pela luz natural e pelas cores pode ser vista ali, em toda sua exuberância. Ao contrário dos jardins tradicionais franceses, as flores ali crescem livres, derramam-se pelos caminhos e sobem pelas treliças.  Era ali que ele e seus companheiros Cèzanne, Manet, Pissarro e Sisley captavam as mudanças na luz e no clima em diferenes momentos do dia.


A casa é uma delícia, e ver as fotografias da família tiradas ali, naqueles mesmos aposentos me causou muita emoção. Adorei a cozinha com seus azulejos azuis, os quartos, a sala de estar com muitas fotos e reproduções de suas telas. Não é permitido fotografar dentro da casa, o que é uma pena. Adoraria compatilhar aqui o que vi lá.

Mas o ponto alto do passeio é mesmo o Lago das Ninféas. Com seus salgueiros, flores, pontes japonesas e, é calro, os famosos lírios aquáticos (ninféias), você realmente se sente dentro das telas de Monet.  Afinal, segundo suas próprias palavras: " Precisei de um tempo para entender minhas ninféas. Mas de repente, tive uma espécie de revelação do que havia de mágico no meu lago...Desde então, praticamente já não uso outro modelo."


Passamos muitas horas lá, sorvendo as imagens, gravando-as na memória e registrando tudo em fotografias. A luz de outubro, obra do céu incrivelmente claro e sem nuvens, contribuiu e muito para o engrandecimento do momento. E dizem que a primavera é a melhor época do ano para ir lá!

Em um outro dia, vi um outdoor gigante, com uma foto de uma estrada cercada de vegetação e uma frase atribuída a Monet: "Eis aqui o meu atelier". Não foi à toa que tenha escolhido essa região para viver. A luz ali é realmente especial.

Passeamos pela cidadezinha, visitamos outros pontos de interesse ainda encantados com o que havíamos visto nos jardins. Voltamos no ônibus das 5 horas para Vernon e esperamos um pouco em um restaurante da cidade enquanto nosso trem não chegava.


Voltamos à Paris e fomos diretamente para Pigalle, onde compramos algumas lembrancinhas pois foi ali que encontramos preços bem razoáveis. Passeamos um pouco ao entardecer pelos cafés, comemos um crepe, tomamos sorvete, enfim, curtimos ali nosso momento feliz.

Antes de pegarmos o metrô para o hotel, fomos até o Moulin Rouge, no boulevard de Clichy, para fotos e, no caminho, pudemos observar a famosa vida noturna da região, com seus cabarés, casas de shows, sex shops e outras coisas do gênero...

4 comentários:

Marize Camara disse...

Olá Claudia, obrigada pela visita ao meu Blog e pelos comentários.

Adorei o novo visual do título, muito sugestivo.

Tenha uma ótima semana!

Bjs

Café com Bolo disse...

Oi Cláudia, agora pude vir rapidamente e dei uma passada por aqui...ai que lindo...minha próxima viagem: Paris já está na lista.
Minha filha, tb foi à Giverny e tem fotos lindas da casa de Monet...quero ir lá tb!
Beijos

Claudia Bins (Cacau) disse...

Oi Meninas, obrigada pela visita! Adoro receber seus comentários, são muito bem-vindos!

Marize, que bom que você gostou do novo layout... eu também gostei muito :-)

Glorinha, vá sim, você vai adorar, com certeza!

beijo,

Claudia

Angela Dal Pos - Morena de Pintas disse...

Cacau, que máximo esse lago, a gente reconhece as teles de Monet mesmo, deve ser mágico poder vivenciá-lo.
Aproveito para te pedir uma dica: como você faz para colocar o link de outro post no meio do texto, como você fez?
beijinho